Sites recomendados para aprender Esperanto

Desde a Torre de Babel, uma das grandes angústias humanas é a impossibilidade de comunicação. Para tentar resolver isso, foi inventado o esperanto, uma língua internacional planejada para servir de meio de comunicação entre duas pessoas que falam idiomas diferentes. Seu alfabeto é fonético – uma letra corresponde a um som – e vale para o mundo inteiro.

O inventor dessa língua foi Lázaro Luiz Zamenhof, que nasceu em uma pequena cidade da Polônia, na época em poder dos russos, chamada Bialystok, em 1859. Na cidade, eram comuns as picuinhas entre vários grupos que viviam ali: poloneses, lituanos, judeus e alemães detestavam-se. Desde criança, ele tinha a ideia de criar uma língua que acelerasse o entendimento entre os vizinhos.

Em 26 de julho de 1887, com o auxílio financeiro de seu futuro sogro, Zamenhof lança o esperanto para o mundo. Publica um livro em russo com o alfabeto, 16 regras gramaticais, alguns textos e um vocabulário básico. Quase 20 anos depois, em 1905, ocorre na França o primeiro congresso mundial da língua, o que se repetiria anualmente até a I Guerra.

Em países como a Alemanha, Polônia, Rússia, China e Japão, o esperanto é perseguido na década de 30 – a família de Zamenhof, falecido em 1917, é dizimada na Polônia. Com o fim da II Guerra, a Unesco reconhece o valor da língua para a cultura mundial.

Aprender o Esperanto causa um efeito pedagógico facilitador, pois aumenta a rapidez de aprendizado de outro idioma em pelo menos 20%

Sites recomendados

Dicionários e Tradutores

La Simpla Vortaro
Definições em Esperanto das palavras em Esperanto

Vortaro
Definições e significados de palavras em Esperando, com exemplos. Requer registo (gratuito).

Reta Vortaro
Palavras agrupadas por tema, por exemplo, Belarto (Belas-artes).

Cursos online

Duolingo
No Duolingo você terá acesso a uma maneira popular de aprender Esperanto “on-line”. Aprenda Esperanto praticando apenas 5 minutos por dia.

Um portal multilíngue cujo objetivo é ajudar os internautas a informar-se e aprender a língua internacional Esperanto de uma maneira fácil e gratuita.

Kurso
O Kurso de Esperanto é um programa multimídia gratuito para aprendizado do Esperanto. O curso está disponível para várias plataformas.

Portal Kunlaboro
Lições básicas de Esperanto elaboradas pela equipe do Portal Kunlaboro para falantes de língua portuguesa. Consiste em uma Gramática, um Vocabulário e uma seção de Exercícios com palavras-cruzadas específicas para cada lição.

Memrise
Dezenas de mini-cursos

Embaixada do Esperanto
Página da Embaixada do Esperanto de Pouso Alegre onde existem várias opções de cursos.

Diversos

Google
O maior buscador do mundo, em Esperanto

Vikipedio
A versão em Esperanto da maior enciclopédia online

Associações

UEA
Associação Universal de Esperanto

Esperanto Brasil
Site que reúne informações e notícias sobre o Esperanto no Brasil

Esperanto.org
Liga Brasileira de Esperanto

Esperanto.net
Centro de informações sobre o Esperanto em 36 línguas diferentes. Reúne informações, notícias, dicas e uma lista de organizações esperantistas ao redor do mundo.

Do site HR Idiomas

Negação no Esperanto

O que predomina no Esperanto é a lógica e a simplicidade. Zamenhof procurou, portanto, aproveitar o que é essencial nas línguas para a comunicação eficaz, deixando de lado tudo o que é supérfluo, desnecessário. Por exemplo, para nos expressar em nossa língua materna, ou quando estamos aprendendo uma língua estrangeiram temos que recorrer a expressões idiomáticas, que, em muitos casos, não são traduzidas literalmente. Elas fazem sentido em determinadas situações, de acordo com o contexto social, cultural etc, enfim, algo próprio da língua e da cultura do falante.

Para compartilhar da cultura e da língua do seu meio social, o falante utiliza tais expressões, até mesmo para não parecer um estranho no próprio meio em que vive – a palavra “estrangeiro” deriva da palavra “estranho”.

Grande dificuldade ocorre quando o indivíduo não fala determinada língua, mas deseja aprendê-la, e não tem domínio pleno de expressões idiomáticas.

Outras vezes, optamos por recursos linguísticos que não têm apoio nas regras gramaticais, todavia se consolidam na língua graças ao uso constante. Para uma comunicação internacional eficaz não deve haver confusões. O Esperanto, por ser uma língua planejada desde o início, possui uma estrutura que se sustenta por si mesma, impedindo armadilhas para o próprio falante. Ela foi criada para servi-lo, diferentemente da  situação comum, na qual o falante é quem serve a língua estrangeira. Podemos imaginar um pequeno diálogo:

  • Você viu alguma coisa?
  • Não! Eu NÃO vi NADA!

Se o interlocutor tivesse visto, ele poderia ter dito: “Sim, eu vi ALGUMA COISA”. Mas, no caso da resposta negativa, ele reforça o que não viu utilizando a palavra NÃO, uma segunda palavra negativa. Se pensássemos de maneira lógica, não haveria necessidade do reforço. Tal fato acontece, pois, esse recurso já se consolidou na comunicação em língua portuguesa.

Não há necessidade, em Esperanto, de utilizar duas palavras negativas em uma frase. Uma delas é suficiente para tornar negativo seu sentido. Vejamos uma frase afirmativa, com foco no verbo:

Mi VIDIS ion (Eu VI algo; eu VI alguma coisa).

Na forma negativa, com o mesmo foco no verbo, temos:

Mi NE VIDIS ion (Eu NÃO VI nada, Eu NÃO VI coisa alguma).

Agora, observemos a mesma frase afirmativa, dessa vez com foco na palavra IO:

Mi vidis ION (Eu vi ALGO, eu vi ALGUMA COISA).

Tornando a frase negativa, sem alterar o sentido do verbo, temos:

Mi vidis NENION (Eu NÃO vi NADA. – Literalmente “Eu vi NADA”)

Basta colocar apenas uma palavra negativa na oração para tornar todo o seu sentido negativo. Se colocássemos duas palavras negativas, uma delas anularia o sentido da outra, gerando uma frase afirmativa:

Mi NE vidis NENION. = Mi VIDIS ION.
(Eu NÃO vi NADA. = Eu VI ALGUMA COISA.)

O Esperanto não foi planejado apenas para falantes da língua portuguesa, e sim para falantes de todas as línguas e culturas. Por isso, ele excluiu essa dificuldade para facilitar a comunicação entre todos eles. Assim:

Não se usa uma palavra negativa junto de outra. Basta expressar a negação uma só vez.

Apesar disso, é possível a formação de expressões idiomáticas. O princípio que rege a comunicação nessa língua é o da CLAREZA: da boa pronúncia à capacidade de expressar as ideias. O respeito mútuo tem grande importância. Um falante se expressa, o outro compreende, e assim, ambos estão em pé de igualdade na comunicação, ou seja, um não é superior ao outro. Mais do que as palavras usadas, o fator humano tem grande valor. E na comunicação humana não deve haver barreiras, pequenas ou grandes, que a dificultem. As regras devem ser claras para que o falante domine a língua rapidamente e a perceba como sua.

Do blog HR Idiomas